A IGREJA DE JESUS CRISTO É A IGREJA DOS POBRES

No dia 11 de setembro de 1962, um mês antes da abertura do Concílio Vaticano II, o papa
João XXIII enviou uma mensagem ao mundo. Nela, o papa fala de Jesus como “luz” e da missão
da Igreja de “irradiar” essa luz no mundo; fala da preocupação e responsabilidade da Igreja
com esses problemas; e fala da contribuição que o Concílio poderia oferecer para a solução dos
mesmos – contribuição fundada “na dignidade do ser humano e em sua vocação cristã”. E, aqui,
passa a indicar alguns pontos importantes: a igualdade de todos os povos no exercício dos seus
direitos e deveres, a defesa da família e a responsabilidade social. Neste contexto, João XXIII
acrescenta o que considera “outro ponto luminoso”: “Pensando nos países subdesenvolvidos,
a Igreja se apresenta e quer realmente ser a Igreja de todos, em particular, a Igreja dos pobres”.

Comentando esta afirmação, o teólogo peruano Gustavo Gutiérrez, destaca três idéias importantes.
Em primeiro lugar, a igreja é pensada em relação com os pobres e com os países
pobres. Em segundo lugar, o texto estabelece os termos de uma relação tensa, mas fundamental
na Igreja: universalidade da salvação (Igreja de todos) – parcialidade ou predileção na realização
histórica da salvação (Igreja dos pobres). Em terceiro lugar, a Igreja aparece como uma
realidade em processo, não acabada: “é e quer ser”

A afirmação do papa teve muita repercussão em um grupo de bispos que ficou conhecido
como “Igreja dos pobres” e que no final do Concílio assumiu um compromisso com a pobreza
e o serviço aos pobres, firmando o chamado “Pacto das Catacumbas”. Entre eles estavam dois
cearenses: um de nascimento (dom Helder Câmara) e um de missão (Dom Fragoso). Esses bispos
trabalharam muito para que os pobres recuperassem na Igreja o lugar central que tinham
na vida e missão de Jesus: “É nosso dever colocar no centro deste Concílio o mistério de Cristo
nos pobres e a evangelização dos pobres” (Cardeal Lercado de Bolonha); “O primeiro lugar na
Igreja é reservado aos pobres” (Charles-Marie Himmer, bispo de Tournai).

Apesar da importância e da repercussão desse grupo, ele não alcançou o que esperava do
Concílio: Que a Igreja que é de todos, fosse, sobretudo, dos pobres. Talvez fosse muito para um
Concílio dominado pelas Igrejas do primeiro mundo, Igrejas inseridas no mundo da riqueza e,
em grande medida, aliadas aos ricos e poderosos… Mas a semente foi lançada pelo bom e santo
papa João XXIII!

Três anos depois, na Conferencia do Episcopado latino-americano em Medellín (1968), a
semente germinou e começou e crescer e produzir muitos frutos. Nascia uma Igreja profética,
pobre e comprometida com os pobres; Igreja de todos, mas, sobretudo, Igreja dos pobres;
Igreja da libertação. Sua característica mais importante foi e continua sendo o que se convencionou
chamar Opção preferencial pelos pobres.

Aos poucos a Igreja foi re-descobrindo e re-assumindo algo que era fundamental e central
na vida e na missão de Jesus, algo que nunca se perdeu completamente na vida da Igreja, mas
algo tinha perdido centralidade e relevância em uma Igreja seduzida pelo poder e pela riqueza,
tantas vezes aliada dos ricos e poderosos. Uma parcela cada vez maior da Igreja (do simples
fiel e da liderança comunitária a religiosos/as, presbíteros, bispos, cardeais; de pessoas isoladas
a paróquias, dioceses e até conferencias episcopais), passa a assumir, por causa do Evangelho
de Jesus Cristo, a causa dos pobres e oprimidos. E de muitas formas: defendendo seus
direitos, denunciando as injustiças que se cometem contra eles, apoiando e até participando
de suas lutas e organizações. Muitos chegaram a ser perseguidos, caluniados, torturados e até
martirizados por causa dos pobres. São mártires da justiça do Reino de Deus, mártires dos
pobres – como Jesus!

Certamente, não é essa a Igreja que está na mídia, que dá ibope, que arrasta multidões…
Os pobres são sempre os últimos – até nas igrejas que sempre têm coisas mais “importantes”
e “urgentes” para fazer que cuidar dos caídos à beira do caminho (Lc 10, 25-37). Mas essa é a
Igreja de Jesus Cristo e ela continua viva e atuante como “fermento”, “sal” e “luz” da justiça do
Reino neste mundo. Ela se faz presente em muitas comunidades e grupos que vivem a fraternidade
e a solidariedade, que denunciam e se enfrentam com as mais diferentes formas de injustiça,
opressão, preconceito e discriminação, que apóiam e participam das lutas dos pobres
e oprimidos na defesa e conquista de seus direitos, que criam serviços e estruturas de apoio
e defesa dos pobres e fracos como as pastorais sociais (terra, indígena, povo da rua, menor,
criança, idoso, carcerária, mulher, caritas etc.) e, enfim, que anunciam com a palavra e com a
vida que Deus é “Deus dos humildes, socorro dos pequenos, protetor dos fracos, defensor dos
desanimados, salvador dos desesperados” (Jt 9, 11) e que “religião pura e irrepreensível aos
olhos de Deus Pai consiste em cuidar de órfãos e viúvas em suas necessidades e em não deixarse
contaminar pelo mundo” (Tg 1, 27).

Por: Francisco de Aquino Júnior – Presbítero da Diocese de Limoeiro do Norte e professor da Faculdade Católica de Fortaleza

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s